Menu
All around me

Bullying, beleza e traumas de infância

Estes dias eu estava conversando com minha mãe sobre os caso bizarros que andam acontecendo em resposta ao “bullying”. Mas espera aí, esta coisa estúpida não é invenção moderna não. Antigamente as crianças passavam pelos mesmos problemas, apenas com outra nomenclatura (na verdade nem nome tinha, era apenas “brincadeira de criança”).

.

Recebo e-mails constantes de meninas e mulheres que relatam casos de bullying relacionados a beleza. Umas porque são gordinhas, outras porque tem o rosto cheio de espinhas e assim por diante. Ontem recebi um e-mail bem extenso e não pude deixar de fazer este posts. Engraçado que todos eles sempre terminam com frases do tipo ” Ah! se eu fosse bonita como você tudo seria diferente”. Eu sempre dou uma risadinha antes de responder. Sou sarcástica ? Não, apenas já passei exatamente pelo mesmo problema.

Quando criança eu era muito magrela. Na pré adolescência eu continuava magra e aí sim começava o inferno. Nos dias de hoje as adolescentes magras e altas viram modelos e a maioria é bem vista pelos meninos. Eu tenho 31 e no meu tempo, isso não era visto com bons olhos e as meninas consideradas bonitas eram apenas as “gostosonas”.

Meus “amigos” queridos super apoiavam o trauma me chamando de “vareta de empinar pipa”, “espeto” e outras coisas bizarras. Um infeliz até me apelidou de “pau se arara” (oi ?). As meninas já usavam sutiã e eu nem sonhava em precisar disso. Meus dentes eram tortos e eu usava aparelho desde os 8 anos. Para completar, meu cabelo sempre foi muito liso. Se agora para muitas mulheres isso é um sonho de consumo, na época era uma tormenta, já que as “bonitas” da escola tinham cabelos ondulados. O que eu fiz ? Permanente.

Sim, eu não tinha nem 11 anos e convenci minha mãe que se eu fizesse permanente, ficaria mais parecida com elas. Fui ao cabeleireiro, sai de lá parecendo um poodle, mas estava feliz. No dia seguinte fui para a escola achando que tudo mudaria e quando cheguei, um tal menino que eu achava muito bonito me parou e disse: “Nossa, a única coisa que prestava em você era o seu cabelo e você estragou”. Cheguei em casa e com uma escova nas mãos e chorando, tentei fazer meu cabelo ficar liso novamente.

Felizmente lá pelos 16 anos as coisas começaram a mudar, meu corpo começou a mudar e comecei a me interessar por produtos de beleza e outras “mulherzices”. Com 18 tomei um “chifre” do meu namorado eu fui morar em Santa Catarina. Lá ninguém me conhecia e por isso eu podia ser qualquer pessoa. Repiquei os cabelos, aprendi a lidar com cabelo liso, mudei meu guarda roupa, aprendi usar roupas que me favoreciam e virei adulta.

Com isso comecei a ouvir elogios e mesmo assim nunca acreditava que eram para mim. Fiz terapia, arrumei outro namorado, virei fã de academia e resolvi me posicionar perante a sociedade e não ligar para o que qualquer pessoa falasse a meu respeito. Um tempo depois comecei até fazer alguns trabalhos como modelo, passar por teste de elenco no meio de meninas lindas e ficar firme e forte. Pegava o papel e gravava o comercial. Mas na minha cabeça só vinha a frase ” O que você está fazendo no meio de tanta mulher bonita ? Vai pra casa já, elas são muito mais bonitas que você”.

Confesso que até hoje ler os comentários de vocês, ver as amigas elogiando é um tanto estranho, pois por mais que tudo tenha mudado infelizmente algumas coisas marcam. Sou neurótica por manter o peso (pois é depois dos 20 começou a neura inversa de perder peso), e não posso ficar muito tempo na frente do espelho pois começo ver rugas, celulites , gordurinhas e outras coisinhas. Mas agora o problema é só com meu espelho e não com os outros.

Em dois eventos ouvi blogueiras dizendo que várias meninas terminam blogs por não aguentarem o bullying. Em um dele vi a Gabi do Lipstick Corner, que está com um cabelo cacheado incrível e perguntei porque ela nunca tinha usado o cabelo assim antes ao invés de sempre estar com ele liso. Resposta: bullying na infância. Felizmente mais uma que superou e está linda.

E bullyng não é problema só de criança não. Fez um blog, botou fotinho, vai ter que aguentar. Se até a Vic que é linda e idolatrada pelas leitoras já fez pos falando que tinha gente que entrava só para criticar os cabelos dela. Enfim, sempre haverá gente desocupada no mundo que entrará para meter o pau e criticar, só nos cabe ignorar e absorver somente aquilo que nos faz crescer.

Para todas as mocinhas que me escrevem eu digo, tem que se cuidar mas seu compromisso é com você e mais ninguém. Tem espinhas no rosto, vá a um dermatologista, faça o tratamento correto e use uma base legal para este tipo de problema. Está gordinha e não consegue emagrecer, vá a um endocrinologista, compre uma boa cinta modeladora, use roupas adequadas. Tem cabelos cacheados, no lugar de alisar, arrume um bom profissional e deixe as “lisas” morrendo de inveja dos seus caracóis. O importante é se cuidar e usar toda a tecnologia a seu favor.

E sim, eu uso milhões de cremes, acordo com olheira absurdas, tomo vitaminas, pinto os cabelos, vivo me cuidando para não engordar, não saiu de casa sem maquiagem, morro de vontade de fazer plástica no nariz, estou esperando fazer 35 para aplicar botox, só uso roupa que me sinto bem independente da moda e o principal, tiro 30 fotos para conseguir escolher apenas uma e postar aqui.

Sobre o autor

Editora e idealizadora do Makeup Atelier www.cinthiaferreira.com.br

Como deixar os lábios mais volumosos. Como fazer o lápis durar na linha d’água Tudo sobre Estée Lauder Advanced Night Repair O melhor produto de Drunk Elephant | Lala Retro 3 Perfumes docinhos com toque Gourmand